Julio Cortázar

Julio Cortázar, escritor e intelectual argentino, é considerado um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo. Mestre no conto e na narrativa curta, a sua obra é apenas comparável a nomes como os de Edgar Allan Poe, Tchékhov ou Jorge Luis Borges. Deixou igualmente romances como “Rayuela”, que inauguraram uma nova forma de fazer literatura na América Latina, rompendo com o modelo clássico mediante uma narrativa que escapa à linearidade temporal e onde os personagens adquirem uma autonomia e uma profundidade psicológica raramente vistas.

Filho de pai diplomata, Julio Cortázar nasceu em Bruxelas, em 1914. Com quatro anos de idade foi para a Argentina, onde, devido à separação dos seus pais, foi educado pela mãe, uma tia e uma avó. Incentivado pela mãe, que lhe seleccionava o que devia ler, desde muito cedo que se interessa por literatura, ao ponto de na sua juventude um médico o aconselhar durante pelo menos seis meses a ler menos e a sair de casa para apanhar sol. Com o título de professor normal em Letras, inicia os seus estudos na Faculdade de Filosofia e Letras, que teve de abandonar logo de seguida, por problemas financeiros.
Por não concordar com a ditadura vigente no seu país, muda-se para Paris, em 1951. Quatro anos antes, por intermédio de Jorge Luis Borges, já tinha publicado o conto “Casa Tomada”, o primeiro do livro “Bestiario”, na importante revista Anales de Buenos Aires. Em Paris casa-se com Aurora Bernadéz e os dois vivem em condições económicas penosas. Será esta experiência que inspirará parcialmente “Rayuela” («O jogo do mundo»), que concluirá anos mais tarde. É ainda durante os anos de Paris que aceita o trabalho de traduzir toda a obra em prosa de Edgar Allan Poe, ainda hoje considerada como a melhor tradução em espanhol desse autor.
Morre em Paris, de leucemia, em 1984.

Da sua vasta obra, que inclui volumes de contos, romances e poesia, para além de “Rayuela” («O jogo do mundo»), publicado em 1963, destacamos: “Bestiario” (1951), “Final del juego” (1956), “Las armas secretas” (1959), “Historias de cronopios y de famas” (1962), “Todos los fuegos el fuego” (1966), “La vuelta al dia en ochenta mundos” (1964), “Ultimo round” (1969), “Octaedro” (1974), “Queremos tanto a Glenda” (1980) e “Deshoras” (1982).


Julio Cortazar (Tristan Bauer) from Perrerac on Vimeo.

Presentemente temos na loja :

A VOLTA AO DIA EM 80 MUNDOS

JOGO DO MUNDO – RAYUELA

PAPEIS INESPERADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *